Economize custos energéticos e invista no futuro

ABC DO ISOLAMENTO

CONDUTIVIDADE TÉRMICA LAMBDA (W/mK), é a principal propriedade para caracterizar o comportamento térmico de um determinado material, quanto mais pequeno for, melhor isolante será.  As conductividades térmicas de materiais isolantes situam-se em valores Lambda entre 0,025 e 0,065 W/mk.

RESISTÊNCIA TÉRMICA R (m2K/W) é o inverso da condutividade térmica, ou seja quanto maior for, mais isola.

TRANSMITÂNCIA TÉRMICA U (W/m2K) num fechamento típico é a soma das resistências térmicas R de cada componente ou camada. Com ela podemos avaliar estruturas multicamada.

RESISTÊNCIA À DIFUSÃO DE VAPOR "u" é uma característica material importante para avaliar o risco de humidades geradas pelo ponto de orvalho. Existem no mercado isolantes "higrotérmicos", quer dizer com um factor u elevado, motivo pelo qual se considera que possuem uma barreira de vapor incluída.

ESPESSURA DA CAMADA ISOLANTE "e" é um valor fundamental a determinar por um técnico qualificado. Se dispusermos de uma espessura insuficiente, além de não cumprir a normativa, existe o risco de fomentar condensações intersticiais.

MÉTODO DE GLASER é um  diagrama através do qual se comparam pressões de vapor e pressões de saturação. Com este método pode-se avaliar se o isolamento proposto é o adequado ou se requer uma barreira de vapor, podendo-se, para além disso, calcular se existe risco de condensação intersticial.

PONTE TÉRMICA: Ponto onde o isolamento é interrompido, por exemplo pela  existência de uma varanda ou passagem de um elemento estrutural como um ladrilho. Aqui existe o risco de formação de mofo se não forem tomadas as devidas medidas no isolamento.

RESISTÊNCIA AO FOGO: Outra característica importante que, por normativa, o isolamento previsto deve cumprir. Existem as seguintes EUROCLASSES: A1, A2, B, C, D e E.

RESISTÊNCIA MECÂNICA DO ISOLAMENTO: Nos isolamentos horizontais, em função do trânsito que os mesmos terão, deve prever-se uma resistência mecânica determinada.

TOXICIDADE DE MATERIAIS ISOLANTES: Existem materiais isolantes que, de acordo com a nossa opinião, devido à sua toxicidade na elaboração ou no manuseamento não nos parecem recomendáveis, especialmente se as pessoas que os manuseiam não utilizam as protecções adequadas. Procuraremos recomendar sempre produtos ecológicos que não prejudiquem as pessoas ou o meio envolvente.

HUMIDADE: A condutividade de um material isolante u depende da presença de humidade e, portanto, da sua resistência. Assim como o ar é um bom isolante, a água não o é, aumentando 25 vezes a condutividade. Por isso, deve-se garantir que o isolamento proposto se encontra bem protegido contra humidades, inclusive intersticiais, ou, caso contrário, tenha uma resistência alta.

CONDENSAÇÕES INTERSTICIAIS: A difusão de vapor começa no momento em que exista diferença de pressão entre dois pontos. Normalmente no ambiente interno dos edifícios a pressão é mais elevada ou apresenta diversas fontes de humidade. Essa pressão de vapor pode aumentar em função do gradiente de temperaturas que existe entre o exterior e o interior da morada, com o limite do nível de pressão de saturação. Uma vez alcançado este limite, inicia-se a condensação e deparamo-nos com o ponto de orvalho. Se esse ponto construtivamente se localiza num ambiente ventilado ou fechado do sistema, podem gerar-se condensações intersticiais, podendo estas ocasionar perda de capacidade de isolamento, humidades ou presença de mofo.

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS: Etiqueta que toda a construção nova deve ter, e que certifica a eficiência energética em A, B, C, D, E, F e G. Na Europa, está-se a exigir a certificação de antigos edifícios através do "passaporte de edifícios".